Introdução


A Amazônia, a Mata Atlântica, os bosques e parques, as hortas e jardins; em suma, os espaços de oxigênio e verde têm todos o mesmo inimigo: a especulação selvagem e estúpida que pretende acabar com a Natureza para dar à sociedade um falso progresso de cimento e poluição.

Nós estamos combatendo esses falsos ideais que não páram de bater na porta.

Do folheto do Greenpeace, Against All Odds

O planeta Terra tem 4,6 bilhões de anos

Se condensarmos esse inconcebível lapso de tempo em um conceito inteligível, poderemos comparar a Terra a uma pessoa de 46 anos de idade.

Nada se sabe sobre os primeiros 7 anos de vida dessa pessoa e, embora a informação disponível sobre seus anos intermediários seja esparsa, sabemos que somente aos 42 anos de idade a Terra começou a florescer.

Os dinossauros e grandes répteis ainda não haviam surgido até um ano atrás, quando o planeta estava com 45. Mamíferos chegaram apenas 8 meses atrás; no meio da semana passada, macacos com características humanas evoluíram para humanos simiescos, e no fim de semana a última glaciação cobriu o planeta.

Homens modernos têm existido há cerca de quatro horas. Durante a última hora, descobrimos a agricultura. A Revolução Industrial começou há um minuto.

No decurso desses 60 segundos de tempo biológico, os humanos transformaram o Paraíso em aterro sanitário.

Provocamos a extinção de centenas de espécies de animais, saqueamos o planeta por combustível e agora, como crianças brutais, ficamos nos gabando dessa ascendência meteórica, à beira da derradeira extinção em massa e de efetivamente destruirmos este oásis de vida no Sistema Solar.